sábado, 7 de novembro de 2015

Natal sedia 1º COBROHI - Congresso Brasileiro de Odontologia Hospitalar

Na manhã de hoje (7), a cidade de Natal (RN) recebeu o 1º COBROHI - Congresso Brasileiro de Odontologia Hospitalar e Intensiva, que foi organizado com o propósito de reunir palestrantes, acadêmicos e profissionais com visão para proporcionar discussões e ideias sobre a atuação do Cirurgião-Dentista em âmbito hospitalar e unidades de terapia intensiva.
De acordo com a presidente do Colégio Brasileiro de Odontologia Hospitalar, Cláudia Baiseredo, esse congresso chega para abrilhantar a odontologia hospitalar do Rio Grande do Norte. “Trata-se de um Estado que cresce cada vez mais nessa área. A escolha do local foi feita, no ano passado, através de votação em Assembleia e o RN foi escolhido por unanimidade, acredito que pelos profissionais que aqui estão e pelas belezas naturais da Cidade”, concluiu a presidente.
O presidente do SOERN, Ivan Tavares, também deixou sua mensagem: “Como especialista em cirurgia bucomaxilar, trabalho em hospitais e sei da carência da presença do cirurgião-dentista na equipe multidisciplinar. Felizmente coube ao nosso sindicato promover um curso para preparação da primeira turma em Odontologia Hospitalar e alguns desses já estão permeando os hospitais de nosso Estado, no serviço público, portanto na Alta complexidade”, comemora.
José Campos Sobrinho se classificou como entusiasta da odontologia hospitalar. “Através da Fio, pudemos ajudar na concretização deste congresso e nos colocamos a disposição Colégio Brasileiro de Odontologia Hospitalar para ajudar no que for preciso”, disse.
Já o presidente do 1º COBROHI e do Conselho de Odontologia do RN, Glaucio de Morais, deu as boas vindas aos colegas dentistas e iniciou seu discurso com agradecimento aos que participaram da construção do evento. “É um privilegio presidir esse congresso. Parabenizo a todos pela disposição do trabalho e por fazer desse evento um marco para odontologia hospitalar do Rio Grande do Norte e no Brasil”.
Silvia Costa iniciou o ciclo de palestras, falando sobre a UTI perto do Cirurgião Dentista. “Minha relação com a odontologia hospitalar iniciou dentro da UTI com a parte prática, com a colaboração de Cecília e Diana, da H3Odonto, momento em que tive a oportunidade de ver o serviço funcionar com meu pai. Ele conseguiu durante 75 dias com acidente vascular grave, não ter nenhuma pneumonia, mesmo com uso traqueal e ventilação mecânica, e foi salvo”, comentou.
José Endrigo também deixou suas palavras para os participantes e falou sobre a atuação do dentista na UTI, novas pesquisas, produtos utilizados e a relevância desse atendimento para saúde geral do paciente. Enquanto o médico infectologista, Kléber Giovanni Luz falou sobre os conceitos atuais da antibioticoterapia para Pneumonia e Infecção Bucal e o carioca, Rogério Jardim, falou das infecções bucais oportunistas em terapia intensiva e protocolos de tratamento. 












Homenagem
Durante abertura do 1º COBROHI, a diretora do SOERN, Teresa Neumann entregou nas mãos do presidente do SOERN, Ivan Tavares, um certificado de Membro Benemérito e aproveitou a oportunidade para prestar uma homenagem ao colega. “Quando fui procurada para indicar um profissional que tivesse as prerrogativas necessárias para receber essa homenagem, prontamente lembrei de Ivan Tavares, e logo a ideia foi acatada pelos colegas”, disse Teresa.
 “Hoje no RN o maior defensor e propagador da Odontologia Hospitalar, chama-se Ivan Tavares. Ele atua incessantemente na busca de justiça para categoria, objetivando sua inserção no mercado de trabalho com salários dignos, condições laborais adequadas e remunerações condizentes com as necessidades. Seu olhar visionário fez do SOERN a entidade promotora do primeiro curso de odontologia hospitalar do RN, inserindo nos Hospitais do Estado colegas oriundos desta formação. Não satisfeito, propôs a edição de um livro, com os trabalhos realizados pelos alunos deste curso, que será lançado na noite de hoje”, disse.
Ele agradeceu às homenagens, dizendo que quem o inseriu nesses movimentos foi Eimar Lopes, há 15 anos. “Fui jogado aos leões, juntamente com ele, e conseguimos ressuscitar o Sindicato. Temos a certeza de que os colegas estão buscando o sindicato para resolver problemas, como as questões salariais”, disse. “Não podemos nos esconder. Convivemos com a realidade do número de vagas exorbitantes oferecidos pelas faculdades do Brasil afora”, completa. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.