quarta-feira, 13 de abril de 2016

SOERN contempla cirurgiões dentistas com palestra sobre Declaração de Imposto de Renda

Os profissionais da odontologia que tinham dúvidas sobre como fazer a Declaração do Imposto de Renda tiveram a oportunidade de participar, na noite desta terça-feira, 12, de uma palestra com o auditor fiscal da Receita Federal, Silvio Almeida, e contador Avelino Viana.  O evento idealizado em parceria com Sindicato dos Odontologistas do Rio Grande do Norte – SOERN e o Conselho Regional  de Odontologia – CRO-RN teve como objetivo esclarecer e orientar os cirurgiões dentistas sobre as mudanças do imposto de renda. O evento aconteceu na sede do Conselho e reuniu aproximadamente 60 pessoas.

Quem deixa pra última hora pode ter problema. De acordo com informações do auditor fiscal Silvio Almeida, 50% das declarações são feitas nos últimos 10 dias. “É Recomendável fazer antes, no mais que puder e se for fazer no último dia, faça de manhã para evitar problemas”, disse o representante da Receita Federal.


As mudanças na declaração já surgem na ficha de identificação, que agora existe a pergunta para informar sobre o cônjuge, sendo obrigado a informar se tem ou não, e em caso da resposta positiva, informar o CPF da pessoa. Segundo Silvio Almeida, a informação é obrigatória, mas nada acontece ao anunciá-la.
Desde o ano passado alguns profissionais liberais, na hora de utilizar o aplicativo da Receita, precisam informar o número do registro profissional, como os Odontologistas, médicos, advogados, psicólogos e terapeutas ocupacionais.  “Para estas cinco profissões é preciso declarar os atendimentos particulares  com número do CPF do paciente, além dos rendimentos serem  apresentados a mês a mês”, disse Silvio Almeida.
Entre as mudanças, no item “dependentes” é preciso informar o CFP deles, nos casos acima de 14 anos.
 O presidente do SOERN, Ivan Tavares, apresenta o contador Avelino Viana.

Complementando as informações sobre a declaração, o contador do SOERN Avelino Viana, falou sobre livro caixa, tributação e previdência de forma a orientar os profissionais sobre o que pode e não deve ser deixado de fora.

Ainda na ocasião, Avelino Viana  destacou que o Simples Nacional, em certas situações, pode não ser o mais indicado para a pessoa jurídica.








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.